Quinta-feira, 5 de Maio de 2011

A primeira vez que me chamaram, cara a cara, individualista tinha dezoito anos. Nada mau! Da vez seguinte chamaram-me perigosa, uma bond girl. Tive a reacção que tenho sempre que me dizem um disparate do género: sorrio. Eu, como não sou, nunca fui, fã da dita saga, não percebi o alcance daquele perigosa. Entretanto li umas coisas e desconfio do que a pessoa, no fundo, queria dizer: que eu era individualista.

 

No entanto, a questão do ser ou não ser, remota à minha infância quando, na pré-primária, as freirinhas chamaram os meus pais ao colégio para discutirem o meu comportamento demasiado fechado. Pelos vistos, não brincava com os outros meninos, fazia desenhos minúsculos numa folha A4, não comunicava ou demonstrava (des)afecto pelos outros e a única altura em viam indícios de alguma sociabilização era quando cantava.

Autismo?!

 

Hoje, aos 34 anos de idade, já não me chamam de autista ou de individualista. Rotulam-me, de forma simplista, de ter a (puta da) mania.

Mania de quê, gostaria de poder perguntar. Infelizmente, a minha reacção a tais disparates mantém-se.

 

São trinta anos a sentir-me um peixe fora de água, a não gostar do que os outros gostam, a não valorizar o que os outros gostam, a ser mal interpretada, incompreendida; Trinta anos de solidão, de vazio.

Tanto tempo a sentir-me assim, levou-me a acreditar que não posso buscar nos outros aquilo que não tenho e que preciso. Tornei-me auto-suficiente. Produzo. Mas o que produzo é para consumo próprio. E, às vezes, um pouco partilhado. Com muito poucos, ao contrário do que possa parecer.

 

Acusam-me de me proteger demasiado e é verdade. Desde cedo senti na pele a leviandade dos humanos, da sua crueldade, da maldade.

Podia ter optado por me armar até aos dentes e encarar a vida como um campo de batalha, em que vale tudo, e ir à luta. Mas não. Preferi construir uma muralha e refugiar-me lá dentro. Isolei-me, num mundo só meu.

No entanto, só há pouco tempo me apercebi da dimensão da minha muralha, aumentada a cada desilusão, e do quanto pode ser frustrante tentar ultrapassá-la, em vão, para chegar até mim.

No fundo, tal como aconteceria se tivesse optado pela primeira hipótese, tentando proteger-me, acabo por magoar.



publicado por Brunhild às 00:12 | link do post | comentar

2 comentários:
De Eduardo a 5 de Maio de 2011 às 10:38
Been there, done that... A páginas tantas resolvi cimentar muralhas de metro e meio, no máximo.

Espero que estejas a seguir o aTensãoJazz na 2. No primeiro episódio Nova Orleães deu o mote.



De Brunhild a 5 de Maio de 2011 às 10:53
não estava, eu não vejo televisão. mas, a partir de agora, ficarei atenta.
obrigada. ;)


Comentar post

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds