Quarta-feira, 9 de Dezembro de 2009

Hoje dei por mim a relembrar um episódio, recordado amiúde.

Certa noite, num jantar de amigos, e de amigos de amigos, alguém fala comigo como se me conhecesse muito bem, sem cerimónia de qualquer tipo, tu-cá-tu-lá, apesar daquela ser a segunda vez que nos cruzavamos.

Estranhei. Só por se tratar de quem se tratava. Mas confesso que estava agradavelmente surpreendida. Pensei Talvez tenha ido com a minha fronha. Causaste boa impressão. Parabéns, Brunhild.

Só mais tarde, ainda no decorrer do dito jantar, descobri de onde vinha aquela inusitada e excessiva confiança. Ela, a tal pessoa, lia o blogue. Ou seja, estava convencida que me conhecia.

Foi estranho. Muito estranho. Aquela pessoa dava-me trato de amiga, quando, para mim, era uma completa estranha.

Adiante!

 

 

Hoje, enquanto penso numa forma de a ajudar, uma outra pessoa, páro para pensar.

Cometo exactamente o mesmo erro.

Este erro, o de estar convencida de que a conheço, a pessoa em questão, e de que, de alguma forma, a poderia ajudar.

Pior! Esta pretensão de estar certa de que precisa de ajuda, da minha. Imagine-se! E a pretensão de que eu a conseguiria fornecer.

 

Nada mau, huh?! Ainda por cima para alguém que até tem fama de gostar das pessoas pelo que elas são e como elas são.

 

Esta estúpida e vã mania de querer ajudar, imbuída da arrogância de até saber o que é melhor, e /ou tentar moldá-las, mesmo tendo como base a boa intenção é para o teu bem, é algo que tenho que abandonar. Já! Até porque toda a gente sabe que de boas intenções, está o Inferno cheio.

 

Posto isto, criei uma ladainha, que repetirei em jeito de mantra, sempre que me sentir tentada a enveredar por estes maus caminhos.

 

Reza assim:

 

Não te preocuparás

Não te preocuparás

Não te preocuparás

A vida dos outros só a eles diz respeito

Mete-te na tua vida

Não te preocuparás

Não te preocuparás

Não te preocuparás

Quem precisa de ajuda, pede

Mete-te na tua vida

Não te preocuparás

Não te preocuparás

Não te preocuparás

 



publicado por Brunhild às 15:22 | link do post | comentar

3 comentários:
De por falar nisso a 9 de Dezembro de 2009 às 16:18
http://passacaille.blogspot.com/2007/12/jsbach-complete-cantatas-koopman.html


De localizar nesta pagina: nelson a 9 de Dezembro de 2009 às 16:20
http://passacaille.blogspot.com/search?q=haydn


De Brunhild a 9 de Dezembro de 2009 às 16:31
obrigada, nelsitone! ;)


Comentar post

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds