Segunda-feira, 1 de Fevereiro de 2010

"Invictus"

William Ernest Henley

 


Do fundo da noite que me envolve

Escura como o inferno de ponta a ponta

Agradeço a qualquer Deus que seja

Pela minha alma inconquistável


      

Nas garras do destino

Eu não vacilei nem chorei

Sob as pancadas do acaso

Minha cabeça está sangrenta, mas ereta


Além deste lugar tenebroso

     

Só se percebe o horror das trevas

E ainda assim, o tempo,

Encontra, e há de encontrar-me, destemido


Não importa quão estreito o portão

Nem quão pesado os ensinamentos

      

Eu sou o mestre do meu destino

Eu sou o comandante da minha alma



publicado por Brunhild às 10:18 | link do post | comentar

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds