Sexta-feira, 5 de Fevereiro de 2010

Uma vez que o livro que encomendei ainda não tinha chegado, porque o rapaz se esqueceu de concretizar a encomenda, e como não queria deixá-lo em maus lençóis perante o seu superior hierárquico, trouxe dois.

Na verdade, é possível que eu seja mesmo totalmente incapaz de sair de uma livraria sem um livro na mão.

 

O famoso livro referido no filme Sexo e a Cidade - Cartas de Amor de Grandes Homens - passou da ficção para a realidade.

Sendo fã acérrima da série, não podia deixar de comprar o dito.

Lembrei-me disso porque li, algures esta semana, ou na semana passada, que estaria para ser publicado o livro Cartas de Amor de Grandes Mulheres.

E não é que Brunhild se lembrou de perguntar por ele precisamente na véspera de este ser colocado à venda?!

Para compensar o lapso da minha encomenda por fazer, deixaram-me comprá-lo hoje. Eu, como não conseguia trazer as mulheres e deixar os homens ao abandono, trouxe ambos.

Sim, premiei a incompetência... Estava bem disposta.

 

O livro deles tem um revestimento do tipo capa dura, em tom de castanho, sério e denso, a imitar couro genuíno.

A capa delas tem uma capa folclórica, em tons rosa, com florzinhas e coisinhas assim.

Fica só esta nota. Mais não digo.

 

Feito o devido enquadramento, deixo-vos aqui a carta que gerou este frenesim à volta do livro, a carta de Beethoven. Embora, talvez prefira as de Keats. E só porque não tive tempo para ler mais.

 

 

Bom dia, 7 de Julho

 

Ainda deitado a minha mente suspira por ti, minha Amada Imortal, de vez em quando alegremente, depois tristemente, esperando o Destino, se ele nos ouvir. Só posso viver ou contigo, ou de todo. Sim, decidi estar o mais longe possível, até poder voar para os teus braços e sentir-me em casa contigo, e enviar a minha alma envolta na tua para o reino dos espíritos - sim, lamento, tem de ser. Vais recuperar ao conheceres a minha lealdade; mais ninguém terá o meu coração, nunca - nunca! Meu Deus, porque é que alguém se há-de separar daquela que se ama tanto, sendo a minha vida em W. tão triste. O teu amor fez de mim o mais feliz e infeliz ao mesmo tempo. Na minha idade preciso de alguma estabilidade na vida - mas poderá isso existir entre nós? Anjo, acabo e saber que há correio todos os dias - devo concluir, para que esta carta te chegue de imediato. Tem calma - ama-me - hoje - ontem.

Que saudades em lágrimas por ti - tu - a minha Vida - meu Tudo - até breve. Oh! ama-me sempre - nunca duvides do coração fidelíssimo.

do teu

L.,

Sempre teu.

Sempre meu.

Sempre nosso.

 



publicado por Brunhild às 00:16 | link do post | comentar

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds