Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2010

Voltaram a não me ligar da minha livraria, a dar-me uma resposta concreta se conseguiam o livro que encomendei ou não. Já estou a ver o filme... Vou passar lá esta semana, não vão ter o livro e eu vou acabar por comprar outro. Cá para mim, já descobriram a minha fraqueza.

 

Há tempos andei obcecada por Fernando Pessoa. Mas tive que parar. Estava a sentir-me sugada por ele. Não conseguia separar o poeta - a sua poesia, os seus heterónimos - da pessoa - da dor, da angustia, do sofrimento - e da necessidade que sentiu de desfragmentar a sua personalidade, de forma a sobreviver.

Foi, segundo li (e capaz de concordar), psicólogo de si mesmo. E isto, só terá sido possível, superando-se; Sendo mais inteligente do que a sua própria "loucura". (Conclusão de uma leiga, não me fuzilem.)

De qualquer forma, a sua genialidade nunca esteve em causa.

Siga.

 

Foi por esta altura que eu me apercebi, mais seriamente, da nossa pseudo-sensibilidade; Ou melhor, da insensibilidade de quem lê, do nosso vampirismo.

Lemos uma poema sobre a dor de outrém, sobre o desassossego, e aplaudimos, dizendo que é lindo.

É, de facto, muito bonito.

 

Há dias, Joana Amaral Dias (psicóloga clínica), publicou um livro, onde analisa os traços psicológicos de algumas figuras históricas, entre elas, voilá!, Fernando Pessoa.

Eu confesso que não nutro simpatia por Joana Amaral Dias. Das poucas intervenções dela a que assisti (porque não consigo), achei-a empertigadasinha e até petulante. Dou-lhe, no entanto, o benefício da dúvida (como se ela precisasse dela), podendo ser aquela postura, mera fachada. Nos meandros em que ela circula não deve ser fácil ser-se tomada a sério. Esta sociedade aberta, pós-moderna, não vê com bons olhos as mulheres inteligentes. Competentes, sim. Inteligentes, nem por isso. Principalmente se, aos dois dedos de testa, cumular dois palmos de cara. E eu concordo. Não é justo.

Contudo também não tenho grandes certezas da superioridade do seu QI. E isso é importante? Claro que não. Pelo menos, para ela.

 

O livro intitula-se Maníacos de Qualidade. E o meio feitiosinho embirra com ele por todos os motivos e mais algum. Não só com o título mas com o livrinho em si.

Duvido seriamente do acto altruísta de JAD (é modinha! é modinha!) de, finalmente, diagnosticar os males destas figuras históricas, e lhes proporcionar o eterno, e merecido, descanso. E duvido também da qualidade dos seus diagnósticos. 

No entanto, curiosa como sou, sinto-me tentada a ler as 54 páginas dedicadas a Pessoa.

 

Portanto, se eu sair da livraria com este livro na algibeira, prometem que não me chamam traidora?... 



publicado por Brunhild às 20:36 | link do post | comentar

2 comentários:
De Mª dos Prazeres, Santa Comba Dão a 9 de Fevereiro de 2010 às 09:19
Traidora! (Não pelo livro, tu sabes porque!)


De Brunhild a 9 de Fevereiro de 2010 às 10:14
Sei?!?! Não sei, mas consulto a minha bola de cristal...

Olha lá, já trataste da tua máscara ou este ano vais disfarçar-te de almofada do RP? :P


Comentar post

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds