Sexta-feira, 19 de Fevereiro de 2010

Estou piursa. Aliás, estou muito mais do que piursa. Estou como o óleo: fula!

Eu explico.

 

Há meses, o champô que eu usava para lavar os meus caracolitos rebeldes, o único fazia alguma coisinha dele, saiu de gama. Deixou de ser fabricado. Assim. Sem aviso prévio. Nada.

 

Fiquei perdida.

Cheguei a pensar em rapar o cabelo ou usar para sempre chapéus, gorros, bonés e afins. É que nem os travessões, ganchinhos, bandoletes e fitinhas, resultam. O que ainda vai resultando são as flores. É um cabelinho difícil mas muito romântico. Juro que não sei a quem ele sai assim.

 

Ando, desde essa altura, a experimentar champôs. E, garanto!, não é tarefa fácil. É esquisito, nada lhe apraz.

 

Nessa minha busca pelo champô perdido, consultei os melhores especialistas e experimentei os diversos produtos e métodos que me aconselharam.

 - O tradicional - secador/difusor e escova - só resulta nos primeiros minutos. À primeira brisa, humidade ou ameaça de chuva, lá está ele, caracolito para cada lado.

 - Tentei amansá-lo com amaciador, caríssimo!, mas o amaciador faz-lhe o mesmo que os ansiolíticos me fazem: deixam-no pingão; calminho mas sem vida. Nem ajustando a dose lá ia.

 - Tentei uma mousse definidora de caracóis... Ficava teso e seco.

Nada resultou.

 

Um dia, descobri um modelador de caracóis em creme. Em desespero de causa, comprei. Sem grandes esperanças, experimentei. E eis os resultados à vista: domado mas solto, livre como ele gosta. E brilhante!

 

Hoje, regresso à loja de produtos de cabeleireira - sim!, porque ao dito não lhe serve qualquer coisa. tem a mania que é chique, não se dá com produtos de hipermercado - e sou recebida pela pior notícia dos últimos tempos: saiu de gama!

 

Saí de lá inconsolável. Sem saber o que fazer à minha vida, e ao meu cabelo, liguei, em lágrimas, ao cabeleireiro de uma amiga e marquei consulta. Dado tratar-se de uma urgência, lá me conseguiu encaixar para amanhã, às três horas.

 

Fartinha disto tudo, assim que lá chegar, e antes de ele começar com ideias malucas acerca do meus caracolitos, vou dizer-lhe o que pretendo: um cabelo da cor do, ou de acordo, meu sangue e da minha pele. Assim:

 

 

E sairei de lá feliz da vida, a cantarolar Don't you let those other boys fool you, Gotta love that afro hairdo...



publicado por Brunhild às 13:34 | link do post | comentar

3 comentários:
De Bruno a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:29
Gotta love that afro hairdo... :DD ehehehehe Muito bom! Boa sorte ;)


De Ortlinde a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:38
então e o Urban boy?


De Brunhild a 19 de Fevereiro de 2010 às 16:42
não há! eles têm muito medinho de mim... dizem que sou perigosa. eu, perigosa!, mosca morta que nem a uma semelhante faço mal.


Comentar post

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds