Quinta-feira, 16 de Julho de 2009

Estou a um capítulo do fim de "A Mulher de Trinta Anos" de Honoré de Balzac. Tenho a andado a protelar o seu fim há dias. Há muito, muito tempo, que não lia um livro de que gostasse tanto. Se é existe um que tenha lido e que me tenha dado tanto prazer ler. Ao ponto de ler passagens repetidamente. O livro parece ter sido atropelado por um camião TIR, todo sublinhado, com orelhas feitas de post-its e outras folhas devidamente marcadas.

Balzac absorveu-me por completo. A forma como ele dissecou a mente da mulher e como ele a consegue compreender e, acima de tudo, descrevê-la, é impressionante. Só ao alcance de poucos. Haverá mais algum?! Só um homem com uma sensibilidade muito especial e com uma capacidade analítica muito peculiar, a conseguiria passar para o papel de forma tão sublime. E duvido existir mulher que o conseguisse fazer. Porque sim.

 

Todas as dissertações que li acerca da alegada mulher balzaquiana, ficaram aquém do que eu considero ser uma mulher balzaquiana, depois de ler o livro. E não foram poucas. Li praticamente tudo o que me apareceu à frente. Acho, inclusive, que a sua compreensão estará ao alcance de muito poucos. E poucas. Infelizmente.

Tivesse eu o dom da escrita e faria a minha própria dissertação acerca do assunto. Não tendo, guardo-a para mim.

 

Este será um livro que ficará na cabeceira da minha cama por muito e muito tempo. Não tenho dúvidas disso. E aconselharia que todos o lessem, se achasse que a sua essência fosse inteligível a todos. Não é. E não é pretensão minha.

 

E, perguntam vocês, bisbilhoteiros de algibeira, o que se segue?

Pois bem, depois de ter sido abalroada por este intemporal clássico da literatura - perdoem-me a redundância - seguir-se-à filosofia contemporânea, numa temática sobre a qual me debruço há algum tempo: o culto da felicidade.



publicado por Brunhild às 15:12 | link do post | comentar

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds