Sexta-feira, 17 de Julho de 2009

Conduzir no centro da cidade é a loucura!

Dá-me a sensação que toda a gente sai de casa às 9h30 para entrar ao serviço às 9h. Tudo acelera, tudo manda vir, tudo buzina.

O semáforo está verde há meio segundo... Pi Piiiii. O senhor de 97 anos demora mais tempo a atravessar a passadeira... Pi Piiii. A viatura da frente prepara-se para efectuar o clássico parar em segunda fila com os quatro piscas a dar a dar... Pi Piii.

Uma orquestra sinfónica de Pi Piiis logo pela manhã! É lindo!

 

Não quero afirmar, sem ter à frente um estudo sueco que o possa comprovar, mas parece-me que as pessoas envelhecem uns anos nestes minutos que passam agarrados à buzina.

 

Felizmente trabalho fora do centro da cidade. Deve ser por isso que conservo este ar jovem.

E, como é costume na periferia das grandes cidades, conduzo sem o auxílio da buzina. Até me esqueço deste pequeno extra. Excepto quando vejo uma gajo bom. Aí, agarro-me a ela, à buzina, com toda a força. De preferência, apanhando-o desprevenido. Gosto de os ver dar aquele saltinho de susto. É tão giro!... Não acham?

Foi algo que aprendi com o meu instructor de condução. Aprendi a buzinar aos gajos, a acelerar prego a fundo na eminência de apanhar um amarelo nos semáforos e a moderar a velocidade em paralelo. Ele dizia que ia mandar alcatroar todas as estradas para que eu pudesse dar-lhe calor à vontade. Eu não acreditei. Mas, a verdade, é que ele está a cumprir a promessa. Isto antes de ele ter sido despedido por assédio sexual às alunas. E eu, inocente, que pensava que aquilo era tudo excesso de simpatia. Foi um choque!

 

Pois hoje encontrei-me completamente perdida no que toca ao protocolo da utilização da buzina no centro da cidade. Mas após um longo período de observação e outro tanto de reflexão, acho que consegui perceber a dinâmica da coisa: a buzina substitui - ou deverá tornar inaudíveis - os insultos que dirigimos - ou gostaríamos de dirigir - ao domingueiro que conduz à nossa frente. Ou seja, funciona como a censura na televisão. Não na nossa, obviamente. Somos um povo descomplexado e descontraído, e não nos chocamos com as barbaridades e palavrões que aquelas figurinhas debitam.

 

Mas, exemplificando.

Um Seu grandessíssimo filho da p***, já andavas com essa m****. Traduz-se num longo Piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii, Piiiiiiiiii. Um simples Anda, carago!; Piiiiiiiiiiii. No entanto, se for um Anda, cara***!, o Pi deverá ser cerca de um terço mais longo e dado com muito mais carácter.

 

E, nestas minhas observações, pude ainda apurar o seguinte:

- as mulheres são mais tímidas nos seus Pis mas fazem-no com mais frequência.

- carros de gama baixa ou mais antigos (vulgo, charroletas) buzinam mais.

- carros comerciais dão Pis mais longos que a média e, frequentemente, trocam Pis entre si.

- os carros pequenos, por norma, não se atrevem a dar Pis aos maiores. Digamos que também no que toca a buzinar, existe uma hierarquia. Ora, a sonoridade das buzinas varia consoante a dimensão da viatura. E estas vão do simples Pi (viaturas pequenas e médias) até ao Póóóóóóóóóóóóó (dos camiões TIR). Isso significa que se formos brindados por um Pi mais grave que o nosso (salvo seja!), devemos enfiar a buzina no saco e não responder. Não é de bom tom.

Fui clara?

Sim, podem chamar-me Brunhild Bobone, especialista em etiqueta do bem buzinar.

 

Posto isto, e como está frio de rachar e eu não posso ir para a praia, vou levar o carro à inspecção e passar no mecânico para sondar qual será a possibilidade de me instalarem uma buzina de um camião TIR no meu bolinhas.

Eu cá não gosto de ficar atrás de nada ou de ninguém. Da próxima vez que me buzinarem, até vão saltar!



publicado por Brunhild às 15:59 | link do post | comentar

2 comentários:
De Bruno a 22 de Julho de 2009 às 14:17
ahahaha eu sabia que tinha guardado isto aqui para ler mais tarde por alguma razão! Bem que me parecia que era uma pérola da comédia do trânsito ;D

Excelente dissertação sobre o assunto, Brun! Os meus parabéns! eheheh


De Ortlinde a 29 de Julho de 2009 às 11:56
muito bom!!!


Comentar post

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds