Terça-feira, 13 de Janeiro de 2009
Brunhild pediu-me que viesse até aqui dizer-vos que está bem e que não há motivos para preocupações. Podem todos ficar descansados.
Ah! E que ficou muito sensibilizada com os miminhos que tem recebido.

Brunhild é assim mesmo: ri e chora com a mesma intensidade, sente demasiado, não tem meio termo, ou é muito bom ou é muito mau, não sabe encolher os ombros e seguir, não sabe ser assim-assim. Entrega-se, voa, salta, tropeça e cai, dramatiza, descabela-se, diz que desiste, diz que morre e morre mesmo. Mas volta sempre, qual fénix renascida das cinzas. Não está na sua natureza desistir.
Dêem-lhe tempo e algum espaço.

Não a pressionem porque pode zangar-se. E nós não gostamos nada quando ela se zanga, pois não?
Nem lhe façam perguntas senão ela foge.
Deixem-na andar. É uma fase difícil para ela e a vida troca-lhe as voltas.
Mas ela não gosta de grandes alaridos, prefere fazer as coisas à sua maneira, sozinha.
No entanto, não está sozinha, tem-me a mim, se precisar. E, se eu não souber ajudá-la, saberei de certeza recorrer a ajuda externa.

Quando ela chorar, deixem-na chorar. É sinal que está viva, que sente, que o coração, apesar de muito ameaçar deixar de bater, continua a fazê-lo.
Quando ela sorrir, sorriam com ela. Porque ela gosta de sorrir e de ver sorrir. É algo que a aquece, que a conforta.

Brunhild é assim: precisa e contenta-se com pouco. Com pouco, sorri. Com pouco, chora. Com a mesma facilidade com que a fazem feliz, também a magoam.
Acho que ela não é de cá.
Por diversas vezes se aproveitaram dela, por diversas vezes lhe disseram que era dissimulada, que pessoas como ela não existiam. Então, ela aprendeu a mascarar-se. Curiosamente, assim, as pessoas já acreditam. Curiosamente, sempre que tira a máscara, acaba por ouvir as mesmas acusações. De tantas vezes ouvir dizer que não existia, acho que acreditou.

Na verdade, Brunhild já está habituada a que ninguém repare nela. Os elogios são sempre para mim: bonita e inteligente.
Eu já lhe disse que a beleza não é minha, é dela. É ela quem encandeia. E que a inteligência é sobrevalorizada porque ela se resguarda atrás de mim. Se ela se mostrasse, talvez também recebesse alguns. Mas ela não quer. Prefere proteger-se, ficar escondida, piscando o olho sorrateiramente somente a quem escolhe.

Diz que vive fora do mundo, que este não está preparado para ela. E, por outro lado, ela não está preparada para o mundo.

Sempre esperou alguém como ela. Alguém que a conseguisse ver, que acreditasse e que fosse incapaz de a magoar. Alguém que a protegesse e a levasse pela mão a ver o mundo.
Hoje já não espera porque deixou de acreditar. Ou diz que deixou. Ainda não consegui decifrar. Conheço-a como ninguém, mas continua a ser difícil saber o que sente.

Seja como for, é certo que voltará. Mais depressa do que ela julga.
Não tardará muito, andará novamente por aí a rodopiar e a fazer das dela.
Acreitem em mim. E sobretudo, acreditem nela.


publicado por Brunhild às 12:13 | link do post | comentar

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds