Sexta-feira, 30 de Outubro de 2009

Arranjar as unhas costuma fazer parte do meu ritual de sábado. Altura em que monto um spa lá em casa.

Gosto de ser eu a arranjá-las porque parece que só eu consigo deixá-las exactamente como gosto. Quando recorro aos serviços de uma profissional, por norma, arrependo-me sempre. Ou porque não tinham uma cor de verniz que eu gostasse, ou porque me põem as unhas arredondadas (e eu só gosto delas aquadradas), ou porque me tiram uns bifes quando removem as cutículas, ou porque passam demasiado verniz e depois demora uma eternidade a secar (e fica com marcas mais facilmente), etc.

Sim, sou exigente. E esquisita!

No entanto, como houve um sábado em não tive tempo para as arranjar, e elas - as unhas - estavam uma lástima, aproveitei a hora de almoço para as ir arranjar.

 

Felizmente, não tive de esperar e fui logo atendida.

Disse-lhe - à senhora professora doutora manicura, embora ainda não estivesse a par da sua vastíssima formação académica - que também queria que ela as cortasse, porque achava que estavam muito grandes.

Seguiram-se uns elogios à minhas unhas e uma dissertação sobre as unhas de gel. Dizia ela, A menina não precisa de nada disso, tem sorte! Tem aqui umas unhas que são uma categoria. E tentou convencer-me a não as cortar, porque Pintadas ficavam um espectáculo!

Eu lá lhe expliquei, muito pacientemente, que não gostava de ver as unhas compridas, muito menos, pintadas.

 

Sendo hora de almoço, a televisão (não perguntem!...) estava sintonizada nas notícias. Na TVI.

E, a cada notícia dada por aquele idóneo canal televisivo, seguiam-se os devidos comentários pela senhora professora doutora manicura. Ela discorreu sobre a crise, sobre a Gripe A, sobre o novo Governo, sobre o aquecimento global, e até sobre as depressões de Outono.

Eu fiquei completamente rendida à sua sabedoria e abismada com a facilidade com que discorria sobre os diversos assuntos!

 

Claro que a cabeça não dá para tudo, não é?! E, de olhos postos na televisão, concentrada em discorrer sobre a actualidade, acabou por me cortar mal uma unha! Disse ela, Esta se calhar vai encravar...

 

Oh, douta manicura! E não é que não só encravou como inflamou?!

 

Mas eu, que sou uma valquíria compreensiva, não a responsabilizo. Afinal, com licenciatura, e respectivas pós-graduações, em Economia e Finanças, Ciências Políticas, Medicina, Geografia e Psicologia, provavelmente, não teve tempo para acabar o exigente curso de manicura...

 

 

 

* A minha classe profissional é das mais gozadas à face da Terra. Por isso, eu posso!



publicado por Brunhild às 18:03 | link do post | comentar

mais sobre mim
cavalgadas recentes

Álbum: raízes

hold on to your dream

O efeito Gabriela

Cindafuckin'rella, precis...

Sonata de Outono

Olá!

...

paradoxos, incongruências...

espreitar

não gosto

ás vezes

O supremo verbo da humani...

as coisas que eu ouço

e esse Natal, como foi ?

Albúm de fotografias

reencarnação deferida

retratos da vida a 2

Toc Toc ?

leva-me aos fados

in a dark place #1

comentários recentes
A perda não foi minha. Esta, pelo menos. Mas um di...
Vive-se segurando a dor na dor dos outros. Tentand...
ah pois é! :)
ahhhh... a bela juventude!!! :P
e tu achas que eu não penso nisso? tenho mais medo...
porque alguém - Walt Disney?! - nos disse que para...
a ver por algumas parideiras que por aí e por aqui...
sim, se assim não fosse a humanidade não existia. ...
Maria, obrigada por leres o nosso blog. Beijinhos
Qual é o supremo verbo da humanidade, parir?!...Se...
outras cavalgadas
cavalgadas arquivadas
subscrever feeds